Um Bonde Chamado Desejo

Home / Destaques / Um Bonde Chamado Desejo

Um Bonde Chamado Desejo

FB_IMG_1463863478247Sobre o espetáculo

Maria Luisa Mendonça será Blanche DuBois, a sonhadora e atormentada personagem criada por Tennessee Williams, no clássico da dramaturgia, que entra em violento embate com a brutalidade de seu cunhado, Stanley, interpretado por Juliano Cazarré .

A encenação de uma peça como Um Bonde Chamado Desejo, em uma metrópole culturalmente pulsante como São Paulo, mais de doze anos após a última montagem, é fato que por si só justifica em sua importância cultural.
A história criada por Tennessee narra a decadência de Blanche Dubois, que se abriga na casa da irmã Stella para fugir do passado e se depara com seu vulgar cunhado Stanley. Marlon Brando e Jessica Tandy interpretaram, em 1947, na Broadway, dirigidos por Elia Kazan, os protagonistas que aqui serão representados por Maria Luisa Mendonça e Juliano Cazarré. O texto ganharia notoriedade mundial no cinema, quatro anos depois, quando o mesmo Kazan dirigiu a adaptação cinematográfica com Brando e Vivian Leigh nos papéis principais.
Na trama, a sonhadora e atormentada Blanche DuBois muda-se para a casa da irmã, Stella, no estado norte americano de New Orleans, para logo entrar em violento embate com a brutalidade de seu cunhado, Stanley. Na tensão entre a carnalidade bestial de Stanley e o espírito etéreo de Blanche, ergue-se a mais pungente e bela metáfora do duelo entre o sonho e a realidade, entre a alma e o corpo, que o teatro já produziu.
Com direção de Rafael Gomes, completam o elenco Donizeti Mazonas (no papel de Harold Mitchell) e Virginia Buckowski (no papel de Stella Kowalski), além dos atores Fabrício Licursi, Fernanda Castello Branco e Matheus Martins.
Através do enredo doméstico de Tennessee Williams, criam-se complexos universos éticos e estéticos, com refinadas teias simbólicas, maestria de linguagem e, principalmente, enorme envergadura moral.
O diretor Rafael Gomes, um dos mais promissores encenadores da nova cena teatral paulistana (Prêmio APCA, Prêmio Fita e Indicação ao Prêmio Questão de Crítica por Música Para Cortar Os Pulsos) que, assim como Elia Kazan, diretor da primeira montagem teatral e da mítica versão cinematográfica da peça, é um profissional que transita entre o Cinema e o Teatro, pela experiência multidisciplinar buscando as particularidades e convergências em cada uma das artes, bem como as alimenta mutuamente. Um bonde chamado desejo faz parte da programação comemorativa do TUCA 50 anos.

Por Rafael Gomes

‘Por que montar Um Bonde Chamado Desejo?’ – essa é a primeira pergunta que inevitavelmente todos me farão (e tem feito), FB_IMG_1463863490556sejam meus atores na sala de ensaio ou meus amigos na mesa do bar. E eu penso que é para poder responder essa pergunta. ‘Para poder responder essa pergunta’ é a melhor resposta que eu tenho, agora. E acho que todos estamos aqui por isso. Alguns tem respostas mais formuladas, outros menos. Mas descobrir todos os porquês de remontar essa peça em 2015, este é o nosso ponto de chegada. É o nosso motivo e o nosso motor.
O que eu sei com certeza é por que eu não montaria: eu não montaria se fosse para fazer uma encenação ‘clássica’ e totalmente naturalista; eu não montaria se não pudesse fazer este trabalho dialogar com o mundo e as circunstâncias que vivemos hoje; eu não montaria se não fosse para injetar algum sangue – o nosso sangue – nesse texto tão bonito e tão preciso e tão dilacerante e tão vital.
Eu monto porque há 12 anos essa peça não é encenada; porque existe uma geração inteira (ou mais de uma) que nunca a pode ver; porque se um grande texto é como uma grande canção, então sou louco para ver a interpretação que Maria Luisa Mendonça e Juliano Cazarré (e todos esses maravilhosos atores) darão para essa grande canção – digo, texto.
Mas, essencialmente, eu monto para descobrir por quê.

Gênero
Drama

Temporada
22 de janeiro a 03 de abril

Dias
Sextas às 21h30, Sábado às 21h00 e Domingo às 18h00

Duração
110 minutos

Indicação de faixa etária
A partir de 14 anos

Local
TUCARENA – Teatro da PUC-SP (Entrada pela Rua Bartira)
Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes – São Paulo – SP

Recent Posts

Start typing and press Enter to search

Lidi Lisboa Atriz Exclusiva Agência Sagaranamentementira